Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal

Governo do Estado de São Paulo

Secretaria da Fazenda

Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal

​​​​​Em 22 de maio de 1997, o Estado de São Paulo firmou com a União o Contrato de Confissão, Promessa de Assunção, Consolidação e Refinanciamento de Dívidas (para visualizar o Contrato clique aqui), no âmbito da Lei Federal nº 9.496/97.

A Lei nº 9.496, de 11 de setembro de 1997, que instituiu o Programa de Apoio à Reestruturação e ao Ajuste Fiscal dos Estados, autorizou a União a assumir a dívida pública mobiliária, outras obrigações de operações de crédito interno e externo, ou de natureza contratual, empréstimos junto à Caixa Econômica Federal e a dívida pública mobiliária emitida, após 12 de dezembro de 1995, exclusivamente para pagamento de precatórios judiciais, dos Estados e do Distrito Federal.

A situação do endividamento das Unidades da Federação teve origem na necessidade de financiamento dos seus déficits fiscais através de dívida, consequência da gestão tributária centralizadora, ocorrida nas décadas de 70 e 80, que enfraqueceu a capacidade de gerar receita pelos Estados. Com a promulgação da Constituição de 1988, houve um processo de descentralização tributária, dando maior autonomia aos Estados e maior capacidade de geração de receitas e, por consequência, do pagamento dos encargos da dívida. Somam-se a esse quadro outras causas do endividamento, como a existência de bancos estaduais, um ambiente de hiperinflação, crises no balanço de pagamentos e um arcabouço institucional incompleto no que tange as finanças públicas.

Os contratos de refinanciamento possuíam originalmente prazo de pagamento de 360 meses, juros variando de 6 a 9% a.a., e atualização monetária calculada mensalmente com base no IGP-DI/FGV. Além disso, havia um limite máximo de comprometimento da Receita Líquida Real para as obrigações do serviço da dívida que varia de estado para estado. Em São Paulo, os juros incidentes sobre o estoque da dívida eram de 6% ao ano e o limite de comprometimento da receita com o serviço da dívida era de 13% da Receita Líquida Real (RLR).

A Lei Complementar nº 148 de 25/11/2014, regulamentada pelo Decreto nº 8.616, alterou os encargos contratuais reduzindo os juros de 6% para 4% a.a. e trocando a correção do IGP-DI pela variação do IPCA/IBGE, limitados à taxa SELIC, com aplicação a partir de 1º de janeiro de 2013. O Decreto nº 8.616 de 29/12/2015 (alterado pelo Decreto nº 8.665/2016) regulamentou a LC 148/2014.

A Lei Complementar nº 156 de 28/12/2016, regulamentada pelo Decreto Nº 9056 de 24/05/2017,  estabeleceu o Plano de Auxilio aos Estados e ao DF e medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal, promovendo um prazo adicional de pagamento de 240 meses no refinanciamento das dívidas sob a Lei nº 9.496/97, com efeito, a partir de 1º de julho de 2016, com as prestações calculadas pela tabela price com base nos encargos estabelecidos pela LC 148/2014. Desta forma, o Estado não está mais comprometido a utilizar até 13% da sua Receita Líquida Real para o pagamento do serviço da dívida sob a égide da Lei Federal nº 9496/97. A LC 156/2016 estabeleceu uma redução extraordinária limitada a R$ 500,0 milhões por Estado, para cada prestação mensal, pelo período de 24 meses a partir de julho de 2016.  Estabeleceu também a devolução das parcelas de dívida vencidas e não pagas em decorrência de mandados de segurança providos pelo Supremo Tribunal Federal no âmbito das discussões sobre a capitalização composta da taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – SELIC para efeito do disposto no art. 3° da LC 148/2014, em até vinte e quatro prestações mensais e consecutivas, devidamente atualizadas pelos encargos de adimplência contratuais vigentes, vencendo a primeira em julho de 2016. A LC 156/2016 ainda estabelece uma limitação do crescimento anual das despesas primárias correntes do Estado aplicáveis nos dois exercícios subsequentes à assinatura do termo aditivo.

A Lei nº 9.496/97 alterada pela lei complementar nº148 de 2014 e nº 156 de 2016 estabelece metas, compromissos e ações a serem alcançados pelo Estado, que deve adotar as medidas necessárias para cumpri-los. O PAF deve ser obrigatoriamente renovado anualmente,  estabelecendo metas para o ano corrente e projeções para os dois anos subsequentes.

O Programa de Acompanhamento Fiscal será revisto a cada exercício, considerando:

           Revisão e Estabelecimento de metas para o exercício corrente:

           - Até 31 de julho de cada exercício, o ente federativo apresentará proposta preliminar de metas ou compromissos para o  exercício de referência e projeções para os   dois exercícios subsequentes, e iniciará as negociações entre as partes. 

           - A revisão do Programa de Acompanhamento Fiscal ocorrerá até 30 de setembro de cada exercício.

           Para avaliação do exercício anterior: 

           - O ente deverá encaminhar à STN até o dia 31 de maio de cada ano, relatório sobre a execução do Programa no ano anterior. 

           - A STN avaliará preliminarmente, até 30 de junho, se foram cumpridas as metas e compromissos no âmbito do Programa.

A partir de 2017, o Programa de Acompanhamento Fiscal adotará os conceitos e as definições da Lei de Responsabilidade Fiscal com metas e compromissos quanto a:

I - dívida consolidada;

II - resultado primário;

III - despesa com pessoal;

IV - receitas de arrecadação própria;

V - gestão pública; e

VI - disponibilidade de caixa. 

 

A trajetória das metas quantitativas e valores realizados dos PAFs de 2013 a 2016 podem ser acessados no link:

Metas PAF.odp       Metas PAF.pdf        Metas PAF.pptx

 

As Revisões dos Programas de Reestruturação e de Ajuste Fiscal, a partir de 2000, podem ser obtidas no site da Secretaria do Tesouro Nacional acessando o  link:

http://sisweb.tesouro.gov.br/apex/f?p=2591:1::::1::

Informações referentes às Avaliações do Cumprimento de Metas ou Compromissos dos Programas de Reestruturação e de Ajuste Fiscal podem ser obtidas no site da Secretaria do Tesouro Nacional acessando o  link:

http://sisweb.tesouro.gov.br/apex/f?p=2591:2:::NO:2::

 

Segue, abaixo, Memorando de Política do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal de Longo Prazo do Estado de São Paulo de maio de 1997, instituindo as metas para o triênio 1997-1999.

​   -  PAF 1997-1999​ 

 

 

Informações adicionais:

     - ​Histórico do ajuste fiscal do estado​